Tag Archives: marketing

Por trás do e-commerce Style Market

O mercado de e-commerce nunca esteve tão aquecido no Brasil: a estimativa para 2013 é que mais de 50 milhões de consumidores realizem compras em lojas virtuais, movimentando um total de 28 bilhõesde reais. Ao mesmo tempo, nunca houve tanta concorrência no meio. Mais do que nunca, é extremamente importante que haja um planejamento estratégico antes de se aventurar na internet. E é com esse mindset que nasceu o Style Market, recém-lançado e-commerce de moda comandado pelas sócias Erica Matusita e Mafe Miguel.

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

Pequeno porém charmoso, o escritório do Style Market mostra um pouco da alma do site

O escritório, apesar do tamanho reduzido, encanta logo na entrada com uma lousa que lê “Welcome. We <3 Style Market”. E fica tudo concentrado naquele mesmo espaço: o estoque (muito bem organizado), as embalagens e as mesas de trabalho – que são três.

É que, desde o lançamento do Style Market em abril de 2013, Erica e Mafe comandam o site sozinhas, apenas com a ajuda de uma designer gráfica e um gerente de TI terceirizado. Embora ambas sejam apaixonadas pelo mundo da moda, é na diferença entre elas que nasce a força da marca. Formada em Economia, Erica Matusita transitou pelo mercado financeiro e passou pela editora de livros Arte e Ensaio. Já Mafe Miguel é graduada em Administração e morou em Londres, onde estudou Gestão de Marcas no Instituto Marangoni. De volta ao Brasil, passou pelo Glamurama e pelo The Boutique, e hoje é responsável pela comunicação, marketing e redes sociais do e-commerce. Não que uma não dê uns pitacos no trabalho da outra de vez em quando, é claro, como na maioria das sociedades.

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

As sócias Erica Matusita e Mafe Miguel compartilham o espaço de trabalho – afinal, é mais gostoso trabalhar assim

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

E o estoque também fica por ali. Reduzido, porém impecavelmente organizado!

Branding & Marketing

Antes de sair do papel, o projeto do Style Market foi colocado nas mãos de uma pessoa especializada em branding, que desenvolveu junto com as sócias uma espécie de manual de estratégias de marketing e posicionamento. Nesse livro, que fica sempre à mão para consultas rápidas, estão desde referências internacionais de estilo até as fontes tipográficas usadas na divulgação da marca. “É tudo pensado para ajustar todos os detalhes ao posicionamento da empresa no mercado”, contou Mafe. Além disso, elas estão sempre atrás de marcas que não tenham e-commerce próprio, que não estejam a venda em todos os lugares.

“A Nina é uma mulher independente, que trabalha e não tem tempo para ficar caçando roupa em Shopping Center”, explicou. A personagem ficcional, carinhosamente apelidada de Nina, é a personificação do público-alvo da marca. Pra que serve isso? Antes de comprar uma peça, por exemplo, a dupla se pergunta se está de acordo com o que a Nina usaria, com os lugares que ela frequenta.

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

O tal livro de branding, em que está registrado cada passo do posicionamento do Style Market

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

Detalhes do processo de curadoria das peças

Diferencial do Style Market: atenção aos detalhes

“O Net-a-Porter foi o primeiro e-commerce de moda que surgiu. Me lembro de estar morando em Londres na época e ter me apaixonado pela ideia de receber em casa um pacote que parecia um presente. Você até esquece que pagou por ele! E é esse modelo que a gente tenta reproduzir aqui no Style Market”, dividiu Mafe. Erica complementa: “A compra online é uma compra emotiva – são pequenas sutilezas que levam o cliente a finalizar a compra. Boas fotos costumam fazer toda a diferença”. Recentemente, elas passaram a trabalhar com frete grátis em toda a loja, para incentivar novos clientes a experimentem o serviço.”Para que haja a fidelização, ou seja, para que nossa cliente queira comprar de novo com a gente, nós damos toda uma atenção especial ao pacote. Enviamos um bilhete escrito à mão, mandamos e-mail se percebermos que ela não fechou a compra. São detalhes que fazem com que as pessoas se lembrem da sua marca”.

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

Um pouquinho do processo de embalagem e envio do Style Market

As dificuldades de empreender no Brasil

Erica Matusita acredita que o lado mais difícil de ser dona do próprio nariz é a falta de estrutura do país. “Ser empresário hoje, no Brasil, é uma tarefa difícil. A burocracia é interminável, e há muita falta de compromisso por conta dos fornecedores. O grande problema é que o país cresceu, mas a infraestrutura não acompanhou. Você precisa sempre de um plano B”, desabafa. “A gente tem todo um planejamento de newsletter, de divulgação, mas que muitas vezes precisa ser alterado porque o produto não chegou a tempo de fazer a foto. Isso acaba impedindo que a empresa cresça mais rápido”, completou Mafe Miguel.

O escritório do Style Market, e-commerce de moda

Para manter a exclusividade, outra característica do Style Market, as sócias não planejam trazer um número muito grande de marcas novas para o site, mas sim expandir para outras frentes. “Já trabalhamos com a linha de lingerie da La Rouge Belle, e em breve devem entrar marcas de sapato e acessórios. Queremos levar para a consumidora o look completo”.

∴ info

stylemarket.com.br
@style_market

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter


Marielle Vasconcellos, gerente de marketing da Adolfo Dominguez

“Um dia, no meio do aeroporto, encontrei um amigo jornalista e apresentador, que me fez uma proposta inesperada. Marielle, estamos precisando de uma consultora de moda no quadro que eu estou apresentando, você topa? E lá fui eu para a Rede TV, apresentar um programa em televisão aberta, coisa que eu nunca tinha feito antes. Eu apresentava um makeover dentro do Superpop, que me deu uma repercussão fantástica. Eu acho que a menina que está no começo da carreira tem que ter essa sensibilidade, porque, no início, a gente tem que ser muito receptiva e estar aberta a todas as oportunidades, sem preconceitos!”

Marielle Vasconcellos marketing Adolfo Dominguez

Marielle Vasconcellos nunca disse não pra nada. Formada em Administração pela USJT e em Moda pela Faculdade Santa Marcelina, hoje ela ocupa o cobiçado cargo de gerente de marketing da Adolfo Dominguez no Brasil. “Eu também fazia um programa de consultoria de moda e estilo chamado Espelho Meu, transmitido pela webtv Clic TV – foi a primeira vez que apresentei um programa só meu. E era ao vivo! Pra completar, no primeiro dia, minha entrevistada chegou atrasada, e isso com mais de 100 mil pessoas me assistindo”, admitiu.

Sua trajetória

“Eu tenho uma experiência muito diversificada. Eu me formei em 99 na Santa Marcelina, mas eu não sabia por onde começar, como todo recém-formado. No período da faculdade, tive uma experiência profissional com produção de moda para agências de publicidade e na coordenação de um escritório de comércio exterior”. No entanto, a dúvida não a impediu de dar o primeiro passo na sua carreira. Marielle voltou para Vitória, onde deu aula por oito anos em uma faculdade de moda. “Na época, convidei uma blogueira pra fazer um registro de um trabalho que as minhas alunas estavam realizando. E foi muito bacana: ela fotografou várias criações e colocou no blog. O meu desejo sempre foi que isso viesse a público. Você, como professor, vê tantos talentos que muitas vezes não são valorizados pela mídia”, compartilhou. “Além disso, eu fazia um pouco de tudo no Espírito Santo: fiz alguns quadros na televisão, dava entrevista, fazia palestra”.

Marielle Vasconcellos marketing Adolfo Dominguez

A entrada na Adolfo Dominguez

Bons contatos podem abrir muitas portas, e com Marielle Vasconcellos não foi diferente. “Fui convidada por uma amiga para vir a São Paulo em um evento no Fasano, onde o Adolfo [Dominguez] estava. Lá conheci a empresa, os diretores, a família do estilista. Quando as lojas da grife estavam para abrir no Brasil, o Master Franqueado do grupo precisava de uma pessoa e me convidou”, compartilhou. Mas só competência e dedicação são capazes de te fazer evoluir dentro de uma empresa. “Passei por uma entrevista e fui direto pra Espanha receber treinamento. Visitei a semana de moda de Madri e conheci todos os escritórios da Adolfo em Ourense. Foi uma experiência fascinante entrar no mundo corporativo da moda, é outra coisa! A minha formação em administração me ajudou muito, porque ainda existe um certo preconceito nesse segmento, ainda se enxerga a moda como uma área alternativa demais. Os diretores e empresários, quando não são da área, esperam mais de alguém que vão contratar”.

“Antes de ser gerente de Marketing, eu fui gerente de franquia, coordenei todo o start-up. Então eu formei equipes, fiz contratação, dei treinamentos. Hoje eu também dou consultoria de comunicação para as equipes do Chile e da Argentina, que fazem parte do grupo. Então eu viajo bastante para esses países e nisso a gente também tem uma troca de informações. O fator cultural com certeza é o maior desafio, mas sempre é positivo porque você está sempre somando. Você cresce nas diferenças.”

Mas o que faz uma gerente de marketing?

“Hoje eu tenho uma equipe interna que fica na Adolfo, e eu cuido muito da parte de relacionamentos. Então quem vai conversar com jornalistas, por exemplo, sou eu – faço bastante esse lado de RP da marca. Geralmente tenho muitas reuniões com assessores, produtores de moda e com parceiros.  Gosto de marcar minhas reuniões de manhã e depois vou direto para a empresa. Como gerente de marketing, eu apostei muito em ações de relacionamento. A Adolfo Dominguez é como a Zara em sua comunicação, não faz propaganda, mas em contrapartida tem uma publicidade incrível. É o posicionamento da marca, Adolfo acredita na comunicação direta com o cliente… A gente sempre fez muitos eventos na loja, onde eu proporcionava experiências culturais, de bem-estar e sociais. Se tem um escritor de moda super  legal, eu faço uma parceria com a editora e consigo trazer esse escritor para a loja e proporcionar essa experiência para o meu cliente – de estar ali, com um formador de opinião. Já fiz também momentos de beleza em parceria com empresas. Sempre proporcionando um benefício para o cliente, uma experiência positiva . É aí  que acontece a fidelização: eu faço um link da marca com situações de prazer, com momentos agradáveis. E hoje a gente aposta bastante nas redes sociais, mas é uma coisa mais nova, que a gente começou há pouco tempo”

Seus planos para o futuro

“Em breve eu devo lançar meu site, que atualmente está em construção. Como eu já vivi de tudo um pouco na moda, vai ser bem institucional. Mas eu não tenho pretensão nenhuma, não quero virar blogueira. Eu falei com a minha designer e ela me explicou que eu precisava de blog só para ter o suporte daquilo que eu iria postar, então ela me convenceu. Mas é isso, vai ter o botão blog mas é um site institucional mesmo, para promover o meu trabalho. E além disso estou cursando Master em Varejo na FGV e vou começar a dar aulas de Moda & Comunicação no Curso de Estilismo do Senac, na Lapa. Amo dar aula”.

 

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter