Vida de jornalista: como impressionar o seu editor

Já fiz tanta confissão aqui no blog que às vezes acho que ele faz esse trabalho melhor do que um terapeuta – até sobre o porquê de odiar tanto fazer as unhas eu já falei! Mas acho que esse tema é um dos mais difíceis até agora, e é porque diz respeito a relacionamentos. Tenho um problema que me atrapalha em quase todas as facetas da minha vida, que é achar que as pessoas ao meu redor não gostam de mim, inclusive no trabalho.

Jornalista Como impressionar seu editor 2

Tenho muita sorte (e sei disso!) de trabalhar entre colegas e chefes incríveis na L’Officiel, que me acolheram de braços abertos quando eu tinha zero experiência em redação e acreditaram em mim desde o primeiro dia. No fundo, racionalmente falando, eu sei que não tem nada de errado. Mas parece sempre tem uma voz (minha, claro) dizendo que eu não estou fazendo o suficiente, que talvez meu texto não tenha ficado tão bom… Esse tipo de drama, sabe? Não é assim algo tão incomum.

Mas vamos voltar ao foco. Com essa loucura interna acontecendo, acabei criando mecanismos para passar a melhor impressão possível para quem trabalha comigo – especialmente meus editores, também conhecidos como chefes. Lembra que a gente falou um pouquinho da hierarquia de cargos numa redação de revista? Pois eu acho que a relação que você, repórter, tem com o seu editor é bem diferente do que acontece em outras áreas de trabalho. Principalmente porque tem muito a ver com estar em sintonia.

Jornalista Como impressionar seu editor 2

Depois desse momento confissão, queria compartilhar três coisas simples mas que acabam fazendo toda a diferença ao construir uma boa relação com o seu editor. Não tem um jeito certo, claro, mas tudo se resume a dedicação. Vamos lá!

Saiba quem está editando seu texto

Vou explicar com um exemplo real: tenho hoje duas editoras que ficam com a maioria das matérias que escrevo. Uma delas escreve majoritariamente sobre cultura e viagens, a outra respira moda há vários e vários anos. Não tem como: são linguagens e histórias de vida diferentes, e entender como cada uma delas enxerga uma mesma pauta me ajudou a atender mais rapidamente às expectativas. Enquanto uma pode dizer “precisa de um contexto maior sobre a história da cidade que acontece essa feira de relógios”, a outra pode achar que “falta uma linguagem mais casual, deixar o texto mais gostoso de ler”. Quem tá certa? As duas, porque no fundo é tudo relativo, e você só tem a ganhar com esse tipo de feedback. O que nos leva ao próximo tópico…

Jornalista Como impressionar seu editor 2

Desapegue e aprenda com as edições

Por favor, vamos parar de achar que alguém mexer no seu texto é uma coisa ruim! Quantas vezes entreguei um texto nem tão contente com o que tinha produzido e, em 5 minutos, minha editora não só resolveu os todos problemas como fez com que o resultado final, como um todo, ficasse impecável. Eles têm mais experiência e você não só pode como DEVE tirar proveito disso. E melhorar pode significar, sim, cortar um parágrafo todo – por que não?! Sempre veja o que mudaram nos seus textos, porque é assim que você vai aprender.

Atenção aos básicos: português

Outro dia, estava ouvindo minhas duas chefinhas conversando sobre uma repórter que SEMPRE cometia os mesmos erros na grafia do nome das pessoas, em problemas básicos de apuração que um google resolveria. Se a sua editora não puder contar com você pra tarefas simples sem ter que checar tudo o que você faz o tempo inteiro, com certeza vai pensar duas vezes na hora de te passar uma pauta mais trabalhos.

Aos colegas jornalistas – quem tem algum outro conselho pra dar?

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter


3 comentários em Vida de jornalista: como impressionar o seu editor

  1. Aline Mota comentou:

    Adorei, dicas muito boas mesmo! 😉

  2. Oi Marina, há uns oito meses atrás comecei a fazer estágio em um local que nunca imaginária trabalhar, na Associação Comercial de Ouro Preto. O que tem de diferente? A minha função envolve um pouco do jornalismo, mas é mais voltada para Relações Públicas. E além da sintonia que você citou que devemos ter com o nosso editor/chefe, algo que vem me ajudando muito é conversar bastante (independente do tema) e observar como que é o modo de trabalho e o relacionamento do chefe com as outras pessoas. No meu caso, por ser uma área diferente, me ajuda a ver os lados das duas profissões.

    Beijos

  3. Valber E comentou:

    Ótimo texto Marina! Publica mais nessa linha job advice, amei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *