Birkin: a história da bolsa queridinha da Hermès

Ela certamente ocupa o topo da lista de desejos de 9 entre 10 fashionistas e aqui no Brasil não sai por menos de 30 mil reais. Sim, estamos falando da Birkin Bag, a bolsa da Hermès que homenageia uma das grandes musas de estilo da década de 60 e que tem tantas histórias quanto seus bolsos podem carregar.

A mais conhecida (e charmosa) conta que a francesa Jane Birkin sentou-se ao lado de Jean-Louis Dumas, que na época era CEO da Hermès, em um vôo de Paris para Londres. Atrapalhada, deixou tudo cair da sua bolsa de palha ao tentar colocá-la no compartimento de bagagem. O resto é história: Jean-Louis se ofereceu para desenhar um modelo que unisse tudo o que a cantora imaginava numa bolsa ideal. Preta, espaçosa, com alças resistentes e que pudesse ficar aberta o tempo todo.

História da bolsa Birkin Hermès 2

A blogueira Chiara Ferragni é uma das que já foram seduzidas pelo allure da bolsa Birkin

Birkin Bag: exclusividade e luxo

Agora, além dos preços exorbitantes, a lista de espera pelo modelo pode chegar a 6 anos. Ou seja, a palavra exclusividade atinge um outro nível em que só a Hermès opera. Ambos se justificam pela forma como a bolsa é feita: produzida na França, é fruto do trabalho manual de artesãos que passam por longos treinamentos. Pode levar de 48 horas a duas semanas para que uma única Birkin seja finalizada, dependendo da sua customização. Só então as bolsas são enviadas às lojas da Hermès, em quantidades limitadas e cronogramas imprevisíveis.

Um fato interessante: enquanto famosas como Victoria Beckhamk já admitiram ter coleções que alcançam a casa das centenas, a própria Jane Birkin só teve uma para chamar de sua. Embora não receba nada por emprestar seu nome ao modelo, a Hermès disponibiliza uma quantia todo ano para que ela doe à caridades de sua escolha. Simpático, vai?

História da bolsa Birkin Hermès 2

Ela une tudo que Jane Birkin desejava numa bolsa: preta, espaçosa, com alças resistentes e que pudesse ficar aberta o tempo todo

A polêmica em torno da Birkin

No ano passado, a bolsa voltou a ocupar os holofotes quando Jane pediu que a marca retirasse seu nome do modelo por causa de um documentário do PETA, grupo que defende o direto dos animais, que mostrava como alguns deles eram tratados por fornecedores de couro e peles exóticas. Pois a Hermès logo declarou que investigaria a fazenda do Texas, que aparecia no documentário e supostamente seria a responsável pelos maus tratos. Por enquanto, nenhum movimento para de fato mudar o nome aconteceu – já que ele foi registrado pela grife em 2004 e, assim, eles têm zero obrigações de atender aos seus pedidos.

 

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter


Um comentário em Birkin: a história da bolsa queridinha da Hermès

  1. Andreia comentou:

    Não existe lista de espera na Hermes; existe clientes; e a Hermès não tem interesse de vender suas bolsas mais conhecidas a pessoas que não são clientes!
    Digo isso porque a primeira vez que eu entrei na loja e falei quero uma birkin eu fui mal tratada pela vendedora, meu marido voltou à mesma Hermès, comprou um cinto e falou que queria comprar a bolsa pra me dar de presente, a vendedora disse pra ele voltar lá 15 dias depois; só que nós fomos à Paris e fomos na Hermès pedimos a bolsa o vendedor falou que não tinha, mandou a gente ir na maior Hermès de Paris que fica atras do palácio do congresso; chegamos lá, fomos mal tratados pela vendedora que falou que naquele momento não tinha ninguém responsável pelas bolsas pra atender a gente, porque eles tinham ido almoçar.
    Ficamos lá esperando uma hora, até que entrou um senhor e pediu uma mala de viagem; na hora vieram atender ele, eu falei pro meu marido; viu como tem vendedores?!
    Meu marido chamou uma vendedora e falou que queria uma mala de viagem, escolhemos a cor o couro, falamos que íamos ficar com ela e depois ele falou também quero dar um presente pra minha esposa; à vendedora perguntou oque ele queria, meu marido respondeu, uma bolsa.
    Ela falou que bolsa? Ele respondeu uma birkin; à vendedora virou pra mim e perguntou que cor você quer?Que tamanho você quer?Couro mole ou duro?Com a fivela dourada ou prateada?
    Eu respondi, marrom, 35cm, fivela dourada!
    Ela convidou nós pra subir ao andar superior em uma sala reservada onde eles vendem as jóias Hermès, ofereceu água e pediu pra esperar um pouco, foi buscar a bolsa, e voltou com duas caixas, uma com à bolsa outra com o porta acessórios pra gente usar dentro da birkin.
    Ela perguntou pra mim se eu tinha gostado de alguma joia, respondi que sim, um par de brincos, ela trouxe os brincos pra eu experimentar, falei vou levar eles também!
    Sai da loja Hermès finalmente com a minha bolsa e hoje não tenho problemas em comprar com eles!
    Mais antes de falar em birkin ou Kelly dou primeiro os meus dados pra que eles vejam que somos clientes!
    Caso contrário eles fazem esperar por uma lista de espera que não existe, só porque você não é cliente…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *