WGSN aposta: quatro macrotendências para 2018

Tem muita gente estudando o que será tendência em 2018, por mais distante que a data possa parecer. Os chamados coolhunters são aqueles que sabem o que a gente vai querer nos próximos um, dois, cinco anos. E uma das áreas mais interessante é aquela que pesquisa as macrotendências, que nada mais são do que hábitos e comportamentos que influenciam a nossa forma de consumir. E, com essa informação valiosa em mãos, fica muito mais fácil para as marcas entender o que precisa ser produzido para atender essa demanda.

Pois a WGSN, uma das principais autoridades em tendências das indústrias da moda e criativa, apresenta o resultado de meses de pesquisas para uma lista restrita de convidados todo início de SPFW. O evento, que já está na sua 25ª edição, aconteceu nessa terça-feira e adiantou quais são as mudanças de valores e conhecimentos que vão afetar nossa forma de pensar, relacionar e, em última instância, comprar nos próximos dois anos.

wgsn tendências 2018 vida terrena

Vida Terrena

Estamos cada vez mais presos a uma tela, seja ela do celular, do computador ou da televisão, e dependentes da tecnologia. Para reverter essa situação, há uma crescente busca pelo contato com a natureza. Um estudo recente mostra que 67% das pessoas com menos de 25 anos no Reino Unido não sabem ler um mapa. As pessoas querem ser autossuficientes, e começam a investir em cursos de costura, marcenaria e até mesmo sobrevivência na selva. A ciência também passa a assumir uma posição cool e ganha um grande número de admiradores especialmente entra a chamada geração Z.

Começamos a repensar nosso consumo e a valorizar produtos chamados “do cultivo à mesa”, expressão que começa a se apresentar também como “da fazenda ao provador” à medida que as peças do vestuário se utilizam de materiais caseiros e de fontes locais. Outros produtos de consumo, como tratamentos cosméticos para a pele e cuidados com a casa, também se voltarão cada vez mais para os materiais naturais. É um movimento de resgate da essência.

wgsn tendências 2018 infusão2

Infusão

O homem controla a máquina ou a máquina controla o homem? Essa pergunta tem se tornado cada vez mais difícil de responder e, com isso, o movimento de humanização da tecnologia tem se destacado. O objetivo é transformar essa conexão em algo totalmente positivo. A aposta são as redes sociais de “chat ao vivo”, como a YouNow, em que você pode transmitir vídeos e possibilitar a comunicação entre pessoas que te assistem. Outro fenômeno dessa tendência é o uso da tecnologia na saúde. Criado em Dubai, Fitzania usa as características de um jogo para fazer um verdadeiro check-up. Ao finalizar ações que envolvem agilidade e concentração, o jogador recebe um relatório sobre como está sua saúde. “Veremos tecidos inteligentes, utilização de DNA para criação de produtos e serviços personalizados e materiais”, completa Letícia Abraham, VP Latam da WGSN.

wgsn tendências 2018 design substancial

Design Substancial

O ‘menos’ se tornará menos ainda, e significará muito mais. Os consumidores valorizam, cada vez mais, produtos com características sustentáveis e nasce um movimento contra esse posicionamento apenas como estratégia de marketing. Produtos de vida curta dão lugar à produtos que tenham longevidade e um design funcional. O dinheiro usado para pagar por esses produtos também se tornará mais imaterial, com o crescimento das moedas criptográficas que funcionam como alternativa ao dinheiro. Atualmente, existem mais de 669 moedas virtuais disponíveis para comércio nos mercados online, a mais conhecida é a bitcoin. Por que agora? Para Letícia Abraham, a resposta é simples: “falta de confiança nas instituições econômicas e o aumento das viagens e da conectividade global. Num mundo de cartões magnéticos e similares, o dinheiro físico parece algo ultrapassado”, explica.

wgsn tendências 2018 noturno

Noturno

Esta tendência reúne comportamentos que buscam um equilíbrio estratégico entre o otimismo exagerado e o pessimismo saudável. O contato com nossos sentimentos “negativos” (como o pessimismo, a vulnerabilidade e, até mesmo, a tristeza) é incentivado para que possa levar à superação dos medos. Um dos frutos desse pensamento é o crescente número de pessoas que escolhem viajar sozinhos e que trocam viagens curtas por longos períodos de contemplação em lugares onde o tempo parece que não passa, como Finlândia, Alaska, Norte do Canadá e Noruega.

Acompanhe

Essa matéria faz parte da cobertura do SPFW N41

 

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *