O segredo do sucesso da Hermès

Um lenço Hermès não sai por menos de R$ 1.450. Um valor alto, se considerarmos que a base do carré, nome oficial do formato mais tradicional da grife, é um quadrado de seda nas dimensões 90cm x 90cm. Mas, depois de conhecer todas as etapas da confecção do produto, dá para entender o motivo.

É essa, aliás, a intenção do Festival de Métiers, exposição que circulou o mundo organizada pela própria grife francesa, com artesãos dos ateliês da Hermès que confeccionam ao vivo bolsas, gravatas, relógios e os tais carrés. A mostra desembarcou em São Paulo nesse ano e, a convite da Farfetch, tive a oportunidade única de conferir tudo isso de perto. Admito: saí de lá encantada e valorizando ainda mais o que significa ter um produto totalmente feito a mão.

hermès_farfetch

A exposição Festival de Métiers desembarcou em São Paulo no começo do ano, mostrando os detalhes da confecção dos maiores ícones da grife francesa

Tudo começa no design das estampas. São escolhidos, em média, 12 desenhos por coleção (duas ao ano). Em seguida, é a hora de desmembrar o desenho em cores para a impressão. Cada cor ganha uma placa específica, de forma que, sobrepostas, componham a ilustração completa. Ou seja, se a estampa tiver 40 cores, são criadas 40 telas diferentes e as cores são depositadas uma a uma. Resultado: uma única peça pode levar até quatro horas para ficar pronta.

Uma curiosidade? Depois de prontos, os carrés passam por uma rigorosa inspeção de qualidade. Qualquer imperfeição faz com que eles sejam incinerados (pois é!) para evitar que circulem desta forma, mantendo assim intacta a imagem da Hermès.

hermès_farfetch_2

A estamparia manual dos lenços era, sem dúvida, a atração principal da exposição

Apesar do valor de quatro digitos, o carré é o maior case de sucesso da grife: estima-se que um lenço da Hermès é vendido a cada 25 segundos em algum lugar do mundo. Se comparado com uma bolsa Birkin, por exemplo, que custa a partir de R$ 30.000 no menor tamanho, o lenço acaba sendo acessível para uma parcela maior da população. Deu para perceber como dizer que  é “caro” ou “barato” é totalmente relativo?

Conclusão: como toda marca, a Hermès é impulsionada por lançamentos sazonais, e investe em novidades que mantém o nome da casa na mídia – como o novo relógio em parceria com a Apple. Mas sabe que o verdadeiro tesouro está na sua tradição.

{Fui visitar a exposição a convite da Farfetch. O post reflete a minha opinião pessoal e não é uma ação comercial.}

–––

Gostou? Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who, clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter.

2 comentários em O segredo do sucesso da Hermès

  1. Camila Faria comentou:

    Que saudade de te visitar por aqui Marina. Seus posts, sempre incríveis. <3

    Deve ter sido uma experiência sensacional ver essa exposição e presenciar os processos ao vivo. Uma das coisas que eu acho bacana da Hermès é que eles são super baseados na tradição, mas estão sempre inovando também. As mini-gravatinhas borboleta por exemplo. Tão simpáticas e moderninhas! (http://brazil.hermes.com/la-maison-des-carres/noeuds-papillon-1.html)

    • Marina Espindola comentou:

      Eu estava morrendo de saudades do blog também, Ca! <3
      Essas gravatinhas são um amor, né? Eles sempre lançam umas coisas assim fofas, novas e que geram esse desejo instantâneo, mas sabem quão importante é manter a tradição e a herança da grife – e fazem isso como ninguém! E foi realmente sensacional ver ao vivo, dá vontade de entrar numa loja e levar uma de cada só de ver o carinho e a atenção que vai em cada detalhe, juro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *