Por dentro da agência de modelos Ford Models

Quem assiste aos poucos minutos de um desfile de moda não imagina todo o trabalho que existe por trás. É preciso que haja uma sincronia perfeita das diferentes áreas envolvidas para o sucesso de um show, desde a criação das peças que serão desfiladas, passando pela produção do cenário em si e até a contratação das modelos com o perfil que a marca necessita – e é aí que entra a agência de modelos Ford Models. Presente no mercado brasileiro há 23 anos, e fundada em 1946 por Jerry e Eileen Ford nos Estados Unidos, a Ford conquistou o prestígio das principais marcas ao redor do globo, atuando na carreira de New Faces, Neo Tops e Top Models.

Por dentro da agência de modelos Ford Models

O (longo) caminho até a agência de modelos

Para chegar no patamar de reconhecimento da Ford é preciso trabalhar com os melhores, e a falta de interesse não é um problema para a agência. “A procura para ser modelo é muito grande, mas muitos que aparecem aqui não tem nada a ver com o nosso perfil, são aquele tipo de pessoa que a mãe fala que é bonito e decide tentar”, conta o assessor de imprensa da Ford, Márcio Garcês. Os (futuros) modelos podem chegar na agência por iniciativa própria ou depois de serem abordados pelos olheiros. Para evitar a perda de tempo, os interessados devem mandar fotos e medidas e, caso exista potencial, são convidados a marcar uma avaliação na quinta-feira, dia aberto para seleções. Os modelos também têm a chance de serem agenciados ao participar dos concursos da Ford Models, como o Pernambucanas Faces.

Para marcar uma avaliação, basta ligar na agência de modelos e combinar um horário. Mas geralmente aqueles que mais se encaixam no perfil da Ford não sabem de seu potencial, e consequentemente não são aqueles procuram a agência. Isa Coffers, booker fashion da Ford, conta que os famosos olheiros existem sim – eles estão pelas ruas e principalmente em eventos como o Oktoberfest, atrás da próxima grande descoberta. Ela, tímida por natureza, evita abordar pessoas nas ruas com frequência, mas, quando percebe um grande potencial, é claro que não deixa a oportunidade passar. “Um dia eu estava aqui embaixo, na recepção do prédio. Olhei para rua e vi um menino lindo segurando um saco de McDonald’s. Por sorte, tinha outra pessoa comigo e ela o chamou. Disse que trabalhava na Ford, que gostaria que ele viesse conhecer a agência e entreguei meu cartão. O nome dele? Leonard Herzog! Hoje, é um menino que faz vários trabalhos e foi uma das minhas descobertas; na verdade, a única.”

O que faz um booker

O trabalho consiste em, basicamente, mostrar para os clientes, stylists, fotógrafos e para as próprias marcas as meninas novas da agência, além de gerenciar toda a sua carreira. “É uma correria!”, admite Isa. Dependendo do perfil, a modelo pode trabalhar com o fashion ou o comercial, e às vezes até nos dois! Quando a menina é mais nova, costuma ir para o fashion porque ainda é bem magrinha e crua. Já para trabalhar com a área comercial precisa ter uma desenvoltura maior para fala e trabalhar com o vídeo e a foto.

Por dentro da agência de modelos Ford Models

Bookers divididos entre fashion (esquerda) e comercial (direita)

Depois do contrato: um mês de imersão

O próximo passo? Conseguir um trabalho. Mas antes disso vem um mês inteiro de preparação.  Muitos dos que são contratados pela agência não moram em São Paulo, e assim que o modelo faz parte da Ford, ele automaticamente faz parte de todas as agências Ford espalhadas pelo Brasil. A maioria dos modelos entra no ramo com 13 ou 14 anos, então as aulas, testes e mudanças de visual são necessários antes de começar a mandar polaroides para as agências de fora. “Apesar de começarem muito novos, é mais fácil lidar com as mais novinhas porque você acaba conseguindo moldá-las, é incrível como elas mudam”, comenta Márcio Garcês. Além disso, o fato de começarem a trabalhar tão cedo faz com que se crie um vínculo de amizade com a equipe, e todos acabam comemoram as conquistas dos modelos.

Assim que os New Faces chegam à São Paulo, o primeiro passo é olhar a mala. É importante que o visual deles seja minimalista, até porque o cliente deve enxergar sua roupa neles. De tudo que trazem, salvam-se no máximo um ou dois looks. “Nós também buscamos parcerias com marcas, que cedem roupas para esses novos modelos”. A partir daí, os bookers definem as imagens de cada um – criam-se personalidades andrógenas, românticas, roqueiras etc. “Eles vêm muito abertos às propostas. Nunca aconteceu de ninguém recusar a mudar o estilo ou cortar o cabelo, pelo menos não no início da carreira”, compartilhou a booker Isa Coffers.

Por dentro da agência de modelos Ford Models

Os books de cada um dos modelos agenciados ficam expostos, para serem acessados rapidamente

Por dentro da agência de modelos Ford Models

Mil e um arquivos: todas as campanhas e jobs dos modelos ficam num mega arquivo

Os pais são avisados da maiorias das decisões que a agência de modelos toma em relação a seus filhos, como possíveis viagens dentro e fora do Brasil ou cortar o cabelo. Mas todo o restante é tratado diretamente com o agenciado. “Não dá para ficar pedindo permissão dos pais o tempo todo, até porque a gente, que trabalha com isso, é quem sabe o que funciona ou não. Pode acontecer de decidirmos cortar o cabelo de uma menina “joãozinho”, por exemplo, e a mãe achar que somente o estilo “chanel” combina com a filha“, explica Isa Coffers.

E como se destacar?

Os primeiros trabalhos que os New Faces conseguem são as campanhas de moda, e assim que eles se tornam mais conhecidos, começam a aparecer em editoriais. Mas nem tudo são flores. “Se eu tivesse uma filha eu não gostaria que ela fosse modelo, é uma carreira muito complicada, muito competitiva” divide Márcio. Timing e sorte também ajudam muito a crescer na profissão.“Tem menina que dá sorte, cai nas graças do cliente, do mundo das modas, dos editoriais, que todo mundo quer fotografar. Mas o profissionalismo ajuda a modelo a ter um futuro”.

Por dentro da agência de modelos Ford Models

Assim que são agenciados pela Ford, os “new faces” passam por um mês de imersão entre aulas, testes e mudanças de visual

A oportunidade que esses jovens têm é única. Conhecer o mundo e ganhar altos cachês, em dinheiro e em roupas, são apenas algumas das vantagens que  a carreira de modelo oferece. “Algo que eu sempre digo, logo no início, é que se surgir a oportunidade de morar fora do país, aproveite e faça um curso. Há carreiras que duram seis meses, outras vintes anos, mas mesmo que a pessoa se torne uma top icon, a lei da gravidade chega para todo mundo. Eu acho triste ver gente com 40 anos com o book embaixo do braço, sem qualquer estudo, dizendo que é modelo”, admite Isa.

Trabalhar com moda pode parecer muito glamuroso: interagir com pessoas bonitas, ir a desfiles e fazer parte desse mundo exclusivo definitivamente tem suas vantagens. Mas só quem conhece os bastidores realmente sabe o que se passa na indústria. “Tudo é muito lindo e bonito, a gente vê gente linda o tempo todo, mas é muito trabalho” diz a booker Isa Coffers. “A gente tem o sonho das pessoas nas mãos e tem que ter cuidado o tempo todo”.

Denise Céspedes, diretora da Ford Models no Brasil

Denise Céspedes, diretora da Ford Models no Brasil

Novos mercados: plus size e transexuais

Recentemente, surgiu um interesse do mercado por modelos plus size e até transexuais, além de muitas outras singularidades específicas. As agências de modelo, que até então trabalham com poucas pessoas com esses perfis, precisam cada vez mais se adaptar às novas demandas. A booker Isa Coffers explicou como eles trabalham com isso na agência. “Aqui na Ford nós temos algumas meninas plus size. Acho um mercado interessante, até porque há marcas que são plus size e precisam de meninas que atinjam esse público alvo. E elas trabalham bem. Mas não acredito que seja possível um desfile na fashion week somente com meninas plus size, pelo menos não por enquanto. Quanto as transexuais, eu preferiria até não opinar porque nós não abrangemos esse mercado”.

*Por Matheus Santos, em colaboração ao Costanza Who

 

Gostou?

Pra ficar sabendo (só uma vez por semana!) do que publicamos de mais legal aqui no Costanza Who,
clique aqui e cadastre seu email na nossa newsletter


16 comentários em Por dentro da agência de modelos Ford Models

  1. Paulinha Alves comentou:

    Que máximo esse texto! Acho que no Brasil as pessoas ainda têm uma imagem muito forte das modelos associadas a glamour, festas e etc, principalmente por causa do boom das modelos brasileiras dos anos 90. Criou-se essa cultura de ver a vida da modelo envolta em um mistério. E por isso mesmo acho ótimo ver textos assim, que ajudam a deixar as coisas mais transparentes e mostram como funciona no lado de lá: o da indústria. E to apaixonada por todas as salas da Ford Models! haha

  2. JR GREGO comentou:

    Trabalhei como modelo dos meus 21 anos ate meus 37 anos …O mercado sempre foi mais generoso com o Homem do que com A Mulher . na carreira de modelo…eu ate meus 37/38 anos desfilei no Fashion Week…NY week..etc…meu forte sempre foi passarela, e os homens sempre tinham trabalho de passarelas até a faixa dos 25 a 35 anos desfilando…e as garotas…16/18/20 anos…sempre achei muito esqusito isso. Mas hoje em dia, voce ve desfile de Louis Vuiton…roupa classica, roupa direcionada a um publico que nao tem menos de 30 anos….e nas passarelas um garoto de 18 anos ,rosto lindo,mas corpinho de e cabeca de C&A…desfilando Louis Vuiton…eu acho totalmente surreal….parece que agora em 2013…chegou para os modelos homens uma especie de idade limite para as passarelas…20 anos no maximo…so que garotinho de 20 anos..nao segura a onda de uma marca boa.!!! salvo…..rarissimas excecoes.

  3. Pingback: Por dentro da agência de modelos Ford Models | Ford Models Blog

  4. Pingback: Vitrine Virtual | A vitrine mais completa da internet! » Arquivos » Vale a leitura: Costanza Who?

  5. natalia comentou:

    adorei por isso que eu quero ser modelo

  6. Amanda comentou:

    Simplesmente é um sonho

  7. simone comentou:

    quero ser modelo adoro fotografar

  8. Ivan Mgnon comentou:

    Uma ótima base este texto! Também quero ser modelo!

  9. Alicy comentou:

    Bom
    , sempre quis ser modelo

  10. Luana Moraes comentou:

    Meu sonho sempre foi ser modelo, apenas um sonho, pois moro em cidade pequena fora do mapa, então olhar videos de desfiles já me deixa feliz.

  11. Juninho Siqueira comentou:

    Meu maior sonho,sério! Mas morar no interior é triste demais oua

  12. Isabelle Silva de Carvalho Reis comentou:

    Ola ,meu nome e isabelle tenho 13 anos e gostaria muito de ser modelo em alguma agencia,mas nao tenho condiçoes de pagar cursos ou ensaios fotograficos. Eu queria muito ter a oportunidade de fazer um teste…falem comigo pelo whatsapp meu numero e +55 21 966458759

  13. simone comentou:

    Amo fotografias quero ser modelo

  14. Liliane de souza guilhermino comentou:

    Quero me agenciar como modelo comercial.

  15. Ane Chaves comentou:

    Muito bom o post. Realmente tirei umas dúvidas. Aos meus 13 eu era bem cruazinha e talvez conseguisse. Hoje com 20 anos ainda é dificil. Todos dizem que eu tenho que ser modelo, ou tipo: O que você está fazendo aqui? Porque não tenta ser modelo? – Pois é, não é täo facil fazer a oportunidade. Continuo com perfil de modelo, porém tenho tatoo e isso dificulta. Porquê né?? :/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *